Archivo de la categoría: Nuestra América

Simão, o idiota

Estándar

Por Julio Rudman.

Chegou de Odessa, consciente de que se ficasse seria convocado às filas do exército czarista como carne de canhão na guerra russo-japonesa de 1905. Era analfabeto, ortodoxo em religião e um bom cara. Se somou à paisagem do sul do nosso continente. Formou uma família com Rebeca, sua mulher, e Teresa e Moisés, seus dois primeiros frutos americanos (anos depois se somaria Hilda, a caçula).

Vendia roupa, de casa em casa, como a tradição marca nos imigrantes judeus. Isso sim, todo dia, com o pôr do sol, tinha encontro marcado com suas prezes na sinagoga.

Em novembro de 1917 ficou sabendo que o novo governo dos sovietes tinha decidido declarar que o antissemitismo é um crime, numa das suas primeiras medidas políticas. Simão, que vinha de sofrer pogroms (persecuções) e humilhações várias, pediu a seu Deus que velasse pela saúde e o bem-estar eternos de seus novos governantes, lá na velha Rússia, agora comunista.

Seus amigos o esperaram na saída do templo para lhe perguntar, com o espanto pintado em seus rostos:

– Você sabe o que fez, Simão?

-Sei, é claro. É a primeira vez na vida que em vez de nos perseguir, nos cuidam.

-Mas são comunistas!

-Não sei o que é isso.

Naquela hora nasceu Simão, o idiota. Começaram a chamá-lo assim, pegavam no pé dele, a cada entardecer, na entrada e na saída de suas obrigações religiosas.

Simão, o idiota, pensou que para compreender, tinha que saber. Começou a estudar o idioma da pátria adotiva. Completou seus estudos primários. Acabou o segundo grau. E entendeu. Virou ateu militante e comunista inorgânico. Foi um humanista feito por sua própria vontade e por seu amor aos outros.

Simão, o idiota, estaria hoje clamando, melhor ainda, reclamando contra o Estado que bombardeia escolas, hospitais e instituições internacionais de ajuda humanitária, em Gaza.

Simão, o idiota, foi o meu avô.

tora

Tradução: América Latina Palavra Viva

Palestina hoy

Estándar
@NikoneConsPalestinos con camisetas del Che y banderas de Venezuela en los enfrentamientos de hoy con las fuerzas de ocupación.

@NikoneCons
Palestinos con camisetas del Che y banderas de Venezuela en los enfrentamientos de hoy con las fuerzas de ocupación.

palestina hoy

niños palestinos

Eterno Comandante, ¡Palestina no te olvidará!

Imagen

chaVEZ PALESTINA

Los otros judíos

Estándar

Ni mejores, ni peores. Distintos. Otros. Somos esos judíos que las instituciones sionistas ningunean, somos los que nos negamos a aceptar que sionismo y judaísmo son sinónimos, somos los que no nos consideramos parte de un “pueblo elegido”, somos protagonistas de la maravillosa aventura que significa construir el socialismo del siglo XXI, como lo expresara el Comandante Hugo Chávez, somos judíos que sufrimos como propia cada humillación padecida por el pueblo palestino, somos judíos del mundo, hermanados con los que sufren, nos indigna que nos digan que Israel es nuestra tierra prometida, porque somos del lugar en que desarrollamos tareas por una sociedad más justa, somos judíos que pensamos, como Eduardo Galeano, que “los palestinos son los judíos de los judíos”, somos judíos que también se indignan porque el gobierno israelí sigue votando en la ONU contra Cuba, apoyó el apartheid sudafricano, fue cómplice activo de las dictaduras latinoamericanas, legalizó la tortura, discrimina el idioma idisch y prefiere el hebreo. Nos indigna porque forma parte del bloque imperial que invade y sojuzga territorios ajenos, como nos indignan Fujimori, Ríos Montt o los genocidas argentinos, Pinochet o sus cómplices civiles. Somos judíos que no ayunamos en días religiosos porque somos ateos. Somos los que comemos guefilte fish, lasagna, paella o goulash con el mismo placer internacionalista.

En fin, somos otros judíos y queremos decirlo, sin petulancias ni fanatismos.

Os Outros Judeus

Nem melhores, nem piores. Distintos. Outros. Somos esses judeus que as instituições sionistas menosprezam, somos os que nos recusamos a aceitar que sionismo e judaísmo são sinônimos, somos os que não nos consideramos parte de um “povo escolhido”, somos protagonistas da maravilhosa aventura que significa construir o socialismo do século XXI, como o expressara o Comandante Hugo Chávez, somos judeus que sofremos como própria cada humilhação padecida pelo povo palestino, somos judeus do mundo, irmanados com os que sofrem, nos indigna que nos digam que Israel é a nossa terra prometida, porque somos do lugar em que desenvolvemos tarefas por uma sociedade mais justa, somos judeus que pensamos, como Eduardo Galeano, que “os palestinos são os judeus dos judeus”, somos judeus que também se indignam porque o governo israelense continua a votar na ONU contra Cuba, apoiou o apartheid sul-africano, foi cúmplice ativo das ditaduras latino-americanas, legalizou a tortura, discrimina o idioma ídiche e prefere o hebraico. Nos indigna, porque forma parte do bloco imperial que invade e subjuga territórios alheios, como poderiam nos indignar Fujimori, Ríos Montt ou os genocidas argentinos, Pinochet ou seus cúmplices civis. Somos judeus que não jejuamos em dias religiosos porque somos ateus. Somos os que comemos guefilte fish, lasanha, paella ou goulash com o mesmo prazer internacionalista.

Em fim, somos outros judeus e queremos dizê-lo, sem petulâncias nem fanatismos.

Julio Rudman –  Tali Feld Gleiser